terça-feira, 11 de julho de 2006

Desconhecido

A primeira vez que aqui estive
Pensei não haver entradas ou saídas
Arriei no chão sentindo-me desolada.
Uma voz, ao meu ouvido, sussurrou:
"Nada é o que parece ser."
Encorajada, um caminho encontrei
E nada temendo, por ele me aventurei.

Novamente me vi perdida
Retornar seria impensado.
Como garantia marquei meus passos
Às minhas costas tudo mudava.
Num estalo, a verdade e a mentira avistei
Uma levaria à saída, a outra à perdição
Numa escolha errada, abraçei a escuridão.

Tateando em busca de luz
Uma voz diminuta se fez ouvir ao fundo:
"Esqueça o que veio fazer aqui".
Fácil de dizer, difícil de fazer.
Com um suborno meu caminho retornei.
Uma ameaça de perigo vinha me perturbar
Aquela falsa saída veio à calhar.

Uma diminuta voz seguiu ao meu lado
No caminho rumo ao desconhecido.
Meus ouvidos captaram pavorosos urros
A voz, fugindo, me abandonou.
Temi o que veria a seguir
Não podia supor a identidade do inimigo
Um novo engano, mostrou-me um amigo.

Ao espantar as sombras destruidoras
Meu novo amigo, livre se via
Acompanhou-me em minha caminhada
Duas portas do nada se mostraram
Uma nada ouvia, a outra nada falava.
Dois destinos, duas direções
A que não falava abriu sem restrições.

O cheiro de mato as narinas atingiu
Somente meus passos estalavam no silêncio.
Os de meu amigo, silenciaram de repente.
Procura inútil, mantive a firmeza.
Em minha busca não podia fraquejar
A cabeça por pouco, não a perdi
A diminuta voz tirou-me dali.

Como recompensa, sua face eu beijei
Não pude prever o erro que cometia
Viria cair numa malcheirosa armadilha.
Atravessando a fétida trilha
Uma ponte encontrei guardada.
Atravessá-la só com permissão
Que a custo obtive de seu guardião.

Velha e apodrecida, a ponte cedeu
Em desespero, num galho me segurava
Ajudada por meu amigo, me salvei.
Segui muito bem acompanhada
Um guardião, um amigo e a voz.
Meu estômago há muito roncava
A diminuta voz deu-me o que procurava.

A fruta dos meus desejos
Foi a mais doce alucinação.
Máscaras rodopiavam ao meu redor
Um olhar misterioso tentou me iludir.
Aos poucos me via enfeitiçada.
Um toque badalou, quebrando a magia
O sonho desabou, tudo se desfazia.

Ao acordar, de nada me lembrava
Fôra um sonho ruim, nada mais.
Tudo estava em seu lugar, mas faltava algo.
Buscando em minhas lembranças
Descobri que havia sido enganada.
O perverso tempo queria me engolir
Ajudada por meus amigos pude fugir.

Um portão avistei ao longe
Minha jornada teria um fim.
Uma muralha de ferro o caminho bloqueava.
A diminuta voz lutou com a lata velha
Imobilizada, abriu passagem.
Do outro lado havia os guardas
Com seus canhões, montarias e armas.

Esquivar das bombas não foi difícil.
Um abrigo teria que encontrar.
Sair ilesa essa era minha meta.
Os amigos foram prestativos
Desânimo algum veio me dominar.
Grande era minha determinação
Aos meus amigos, agradeci-os de coração.

Muitas escadas me aguardavam.
Subir descendo, descer subindo.
Um caminho confuso à percorrer.
O objeto de minha busca encontrei
E o Senhor do Tempo não sucumbia.
Em um salto o quebra-cabeça foi desfeito
Anulando a fantasia e seu efeito.

Muitos perigos eu passei
Não foi moleza a saída encontrar.
Levarei comigo o choro inocente
Não há nada que me faça desistir.
Sou livre, tenho amigos, não vou ficar.
A mim nenhum poder dominará
E sua ilusão não mais me alcançará.

Inspirado no filme "Labirinty" (com David Bowie e Jennifer Connelly)

Por Bruxinhachellot.















6 comentários:

JU disse...

Nossa amiga, eu adorei quando esse filme , lembro de ser uma adolescente bem novinha e besta risos, cheia de sonhos.
Lembro de ter ficado bem impressionada com este filme, comprei o "disco" na epoca.
Mas sem duvida meus pensamentos foram bem mais simplorios.
Quando estava lendo otexto nao pude imaginar que voce tinha tracado paralelo entre os dois e tive que voltar para rele-lo todo novamente risos
Voce eh criativamente bizarra amiga risos
beijos
otima semana

Roderick disse...

Labirinto? Já não vejo esse filme há anos.
Deu-me vontade de o ver novamente.

Felipe mac Lugh disse...

realmente o filme e tao bom q nos inspira várias coisas, muito legal . bjuxzxz tia Cláudia

greentea disse...

não há nada que me faça desistir


assim deverá ser sempre em todas as nossas atitudes!


um beijo para ti

AnaGarrett disse...

Adorei esse filme. Foi lindo.
Já não o vejo há muitos anos.

Beijos

Fada San disse...

Preciso assistir esse filme...
Feliz dia dos amigos, amiga virtual, alma linda, perfume em palavras...!