sexta-feira, 27 de julho de 2007

Histórias de Amor Gaélicas - I

Os historiadores observaram que as histórias míticas dos celtas talvez sejam a origem dos romances de cavalaria da Europa Medieval. Uma delas parece ter inspirado a maior história de amor de todos os tempos, Romeu e Julieta, que na versão original seria Baile e Ailinn.
Eles eram régios de nascença. Baile, herdeiro de Ulster, e Ailinn, neta do rei de Leinster. Contudo não haviam se separado por causa da inimizade entre Montecchios e Capuletos, mas pela artimanha de um inimigo espectral. O casal combinara de encontrar-se em Dundealgan, e Baile, que chegara antes, foi recebido por um estranho. Ele disse a Baile que Ailinn tinha partido ao encontro de seu amado, mas os homens de Leinster a impediram, e seu coração sucumbiu de dor. Baile ao ouvir triste notícia, não resistiu e tombou ao chão morto na praia. Um mensageiro fora até a casa de Ailinn, que ainda não tinha partido e lhe disse que vinha do Ulster, próximo da praia de Dundealgan, onde vira alguns homens erguendo uma lápide e nela lera o nome de Baile. Aillinn também não resistiu. Dizem que de sua sepultura nasceu uma macieira, cujas maçãs exibiam a semelhança do rosto de seu amado e ao mesmo tempo, no túmulo de Baile, surgiu um teixo assumindo a aparência de Ailinn. Segundo a lenda, as duas árvores foram derrubadas e transformadas em varinhas de condão, nas quais os poetas do Ulster e de Leisnter entalhavam as canções de tragédias de amor de suas duas províncias, em ogam.
Passados duzentos anos, o "Solitário" Art, rei da Irlanda ordenou que fossem levados para o salão de Tara e, assim que as varinhas de condão se viram sob o mesmo teto, elas se uniram e nada pode separá-las novamente. O rei mandou que fossem guardadas como uma das jóias de Tara.
Espero que tenham apreciado. Essa é a continuação de Mitologia Celta.
***
Fiquem bem.

Fonte: Livro - Mitos e Lendas Celtas (Charles Squire)
A imaginação nos faz voar e caminhar por caminhos desconhecidos e maravilhosos. Imaginem no blog da amiga Elisângela: http://portasdaimaginacao.blogspot.com/
Por Bruxinhachellot.

18 comentários:

poesiadaspiramides disse...

Deves de saber que as historias infantis eram contadas ás criancas para de uma forma simples lhes transmitir a sabedoria universal
ji

O Sibarita disse...

Oi minha bruxinha predileta! Ai que saudade, desculpe, a demora em vir aqui. Estou com meu pai hospializado, agora, está melhor, então, fiquei fora da net esses dias ok.

Seu texto como sempre muito bom e o melhor de tudo é um grande aprendizado para nós seus leitores.

bjs.
O Sibarita

su disse...

É sempre bom encontrar um "cantinho" desencantado das brumas bloguísticas onde se pode recolher este género de informações. Não sabia desta base à história de Romeu e Julieta...mas a original é realmente mágica, como qualquer lenda ou mito ou fundo de verdade celta...

Beijos em Roda aqui algures de uma Teia.

Keila, a Loba disse...

O que me prende à literatura celta é a auto-estima desse povo que sabia valorizar cultos, tradições, lendas e o trabalho. Amo isso, saber disso, e vir aqui para buscar mais informação me agrada demais, Bruxinha.

BeijUivoooooooooooossssssss da Loba

Marco disse...

Essas histórias são absolutamente deliciosas. Eu não conhecia essa. Me fez lembrar um pouco Tristão e Isolda. Do túmulo deles também saiu uma planta, um salgueiro que dizem nunca secou.
Muito bom, Claudia.
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Ricardo Rayol disse...

Gostei

Um Poema disse...

Não sei se as histórias de cavalaria da idade média assentam nas tradições celtas. Mas não são de todo alheias, certamente, visto que os celtas dominaram uma boa parte da Europa, nomeadamente a Península Ibérica, onde a sua influência e miscigenação com os nativos deu origem aos 'celtiberos'

Um abraço

Cakau disse...

Estamos sempre a aprender :) *

anjoedemonio disse...

as lendas e o amor...

gosto mais dessa foto (ehehehh)

Claudinha disse...

Adorei! Adoro Mitologia, principalmente Celta, e esta história eu não sabia... Beijos!

MARTA disse...

Interessante a tua história - abre as portas à imaginação...
Adorei - obrigada pela partilha e pela visita ao meu blog.
Beijos e abraços
Marta

Alexandre disse...

A Mitologia é uma porta aberta para o sonho e para a imaginação!!!

Excelente referência e excelente texto!

Muitos beijinhos!!!

Nilson Barcelli disse...

Claro que gostei.
Não leio nada parecido em mais nenhum lado.
E aprendo sempre contigo, obrigado.
Bfs, beijinhos.

NETMITO disse...

Beijinhos para ti e bom fim de semana:-)*

NETMITO disse...

Beijinhos para ti e bom fim de semana:-)*

Sahmany disse...

E tem como não apreciar?
Bom domingo, ótima semana pra vc.
Abraço, fica com Deus.

osrevni disse...

Tenho um fascínio enorme pelas lendas celtas... São as mais telúricas de todas, levam a gente a um tempo que talvez nunca tenham existido! É fantástico!

Mestre Splinter disse...

...E gracias por mais esta história!