quarta-feira, 2 de julho de 2008

Não tem mais o que inventar


Será? Essa é a frase que minha mãe mais pronuncia quando ocorre algo diferente. O que ela diria das novas tecnologias? Barbaridades certamente. E o que dizer da nova moda corrente na Suiça e em outros países, na qual a morte já não é tão mal vista assim pelos habitantes mais afortunados. Quais as opções após a morte? O que fazer com o corpo? Enterrá-lo ou cremá-lo? Jogá-lo no mar? A nova modalidade é transformá-lo em 'diamante humano'. Como? "Segundo uma empresa da Suiça, bastam apenas quinhentos gramas de cinzas para fazer um diamante. O corpo humano deixa uma média de 2,5 a 3k de cinzas depois da cremação. Os restos humanos são submetidos as seguintes etapas: primeiro, viram carbono, depois grafite. Ao expô-los a uma temperatura de 1.700 graus são transformados em diamentes artificiais num prazo de quatro a seis semanas."
Segundo Rinaldo Willy, co-fundador do laboratório onde acontece as transformações, "cada diamante é único e sua cor varia do azul escuro até o quase branco", sendo, portanto, "um reflexo da personalidade" de cada um. Para isso há um custo entre 2.800 a 10.600 euros, ou seja, em torno de R$7.400,oo a R$28.090,00 se o euro estiver a R$2,65. (me corrijam caso eu esteja errada)
Interessante essa de tranformar as cinzas humanas em diamante. Imagine você circulando por aí com um anel que contenha um diamante feito das cinzas de seu pai ou um colar com o pingente do diamante de sua mãe. Isso com certeza vai causar estranheza entre seu círculo social, mas sem sombra de dúvida é melhor do que manter uma urna funerária na mesa da sala de estar.


.
Obs.: Demorou mais saiu o segundo capítulo do conto A Fada e o Nobre Pirata (II-Escolhas). Continue acompanhando essa nova aventura no blog http://caminhodoscontos.blogspot.com

Fiquem bem!


Por Bruxinhachellot.

10 comentários:

Adriana Costa disse...

Amiga Cláudia,

Por ter sido indicada agora indico o seu blog e estes outros, se aceitarem, para usar o Selo "Prêmio Dardos" em sinal de admiração pela contribuição literária e cultural dos mesmos.
Visite meu blog e veja na barra lateral como salvar o selo e as regras do prêmio.

Flores para todos! @>--

mataharie007.blogspot.com/
almadepoesia2007.blogspot.com/
dolugardemim.blogspot.com/
encostadomar.blogspot.com/
vomitandoimagens.blogspot.com/
eros-tics.blogspot.com/
poesiangolana.blogspot.com/
amorsemedo.blogspot.com/
sergiofranck.blogspot.com/
viapoese.blogspot.com/
poemargens.blogspot.com/
poesialilazcarmim.blogspot.com/
venezadebrasileiros.blogspot.com/
www.olhosdefolhacintiathome.blogspot.com/
labirintodosoledalua.blogspot.com/

Anônimo disse...

Será Bonito podermos andar com as pedras preciosas que foram nossos pais ou outros ente queridos em nosso dedos com forma de Diamante. Pois sua alma preciosa continuará em nossos corações enquanto formos vivos.

Contoselendas

titofarpas disse...

Adorei o seu blog. Está muito bom...
Parabéns e felicidades

Vieira Calado disse...

Não conhecia essa modalidade!
Até não é caro... Os diamantes são eternos...
Bom fim de semana

Mestre Splinter disse...

Me parece bueno p'ra quem tem grana... e p'ra quem se apega às coisas transitórias deste nosso forâneo mundo, além de ser uma deixa p'ra que comecem a haver distorções na mente destas pessoas(a reportagem já chama as pedras de ''alma translúcida''!!! um amigo ali no comment de cima também já se refere ao diamante tecnológico assim - precisamos de algo p'ra manter viva uma lembrança?)...

...perdón... mas pensando como os bravos Paracelsus modernos, entón, capitalisticamente... o valor das pedras obtidas por um cadáver compensaria o preço desta alquimia, ainda de modo que uma pessoa comum pudesse dar um último presente aos seus entes queridos?... em caso afirmativo, seria algo de bom, bonito, realmente...caso contrário, trata-se apenas de mais outra trampa de especialistas em grana alta, ganhando em cima do velho miedo a la muerte, que atravessa todos os valores...

... dinheiro que, aliás, não teria melhor uso na melhora da qüalidade de vida te tantos, que sequer verão um diamante até que lhes chegue a morte, igüal p'ra todos?

...me desculpa outra vez, querida Bruxa, porém, de onde estou, é como consigo ver... quisiera estar errado...






...e p'ra começar, eu não gostaria de ter a carcaça cremada! (não que vá me fazer muita diferença à essa altura...)

...tu gostarias? Hehehehe...






Fica com Deus! Estava esplêndido o capítulo II no Caminho dos Contos!

Sip of Glory disse...

O seu blog é muito interessante, tem princípios importantes, e de uma nostalgia muito interessante.

Lyra disse...

Olá,

Chegou a atura de eu tirar umas férias :O)))

Entretanto deixei, no meu blog, um “presente” para todos os meus amigos. Espero que gostem!

Tudo de bom para ti.

Beijinhos e até breve.

;O)

Claudinha disse...

Sua mãe tem toda razão Xará, não têm mais o que inventar não... Eu acho que poderiam usar este processo para coisinhas mais importantes para humanindade. A gente ao pó retornando, faz a reciclagem da matéria dos sais mineirais. Somos o sal da terra... Se todomundo virar diamante, vai dar uma empobrecida básica, não acha? Beijão!

Loba, a Keila disse...

A bem da verdade, Bruxinha, eu ia preferir ser um diamante enquanto tivesse vida e viva. Depois que a vida tiver me levado embora, que graça tem isso?

BeijUivooooooooooossssssss da Loba

Crystal disse...

Olá

Antes de mais, obrigada ela visita e pelo lindo comentário.

Sobre este assunto, acho sobretudo importante que existam alternativas.Eu, por infelicidade tive um familiar Suiço que faleceu e foi cremado, esteve 10 anos numa urna em casa e depois espalhado no lago onde cresceu porque era onde se sentia livre e onde gostava de retemperar energias. A ideia do Diamante nunca surgiu, aliás, desconhecia por completo.No entanto, ponderámos uma outra opcção que foi colocá-lo num parque que existe lá para esse efeito e plantar sob as cinzas uma árvore...isso sim, acho bonito.Como disse antes o que é importante é que existam alternativas.Aqui, pelo meu Portugal faz-se o que acho pior: Enterra-se. Ocupa-se espaço, paga-se fortunas em flores e mármores, ostentação desperdiçada e a meu ver desnecessária uma vez que não é assim que se mostra saudade ou pesar.Infelizmente a cremação por estas bandas é carissima...

Epa, já vai longe demais este comentário, rsrs

Um beijo para ti